VemSerFamil! Aqui a sua graduação realmente cabe no bolso

/blog

Faculdade – Desafios e deveres de uma Universidade e sua obrigação social

Eduardo Martins / blog

Faculdade não é apenas um prédio onde as pessoas vão para ensinar e aprender.

Uma faculdade está inserida dentro de um contexto único da sociedade e de sua posição, gera a maior de todas as riquezas: o conhecimento.

Todo o processo de construção e proliferação do conhecimento, que permeia as estruturas de uma faculdade, se compõe de uma relação de troca, onde a universidade entrega para a comunidade aquilo que colhe dela, na forma de informação e necessidades.

A relação de simbiose entre a universidade e a sociedade transcende a história e, desde que o homem começou a dominar a técnica do fogo, a transmissão do conhecimento nasce e se direciona, na forma de ciclo, para a própria sociedade.

A medicina surgiu a partir da necessidade de cura dos males que se apresentaram para as pessoas ao longo da história.

Foi do contexto universitário que surgiu o antibiótico, os antivirais, as vacinas e a compreensão da mente humana.

Foi no universo universitário que se consolidou o contexto das leis que regem a sociedade.

É do universo da faculdade o desenvolvimento científico, tecnológico, humano, técnico e de desenvolvimento.

A faculdade e toda a malha do ensino superior, possui um grau de importância diante da sociedade, que só não é maior que a sua responsabilidade comunitária.

Faculdade é um lugar de integração e inclusão social:

Potencial de inclusão social

Faculdade não parece, numa análise simplória, estar ao alcance de todos, muito por uma dificuldade seletiva natural, e muito também, por uma falta de compreensão individual da importância da educação para a transformação humana.

Mesmo que o indivíduo não esteja consciente da importância de absorver e controlar o conhecimento, a responsabilidade da universidade não diminui, considerando que todos os seus conteúdos nascem da sociedade e para ela devem ser devolvidos na forma de conhecimento e soluções práticas na melhoria da qualidade de vida geral.

Incluir este novo ser social, principalmente os que têm uma origem mais pobre e menos favorecida, é talvez, a maior de todas as responsabilidades de uma universidade num país como o Brasil.

Se o conhecimento é o agente da transformação positiva de uma sociedade, os meios de propagação deste conhecimento são a ferramenta deste desenvolvimento e, aí, está o conceito teórico da responsabilidade de uma faculdade.

Universalizar o ensino superior é o maior de todos os desafios:

O desafio de uma universalização

Uma faculdade precisa estar conectada com a sociedade.

As camadas sociais são proporcionais e a pirâmide econômica, uma realidade do mundo inteiro, tende a atrelar os níveis socioculturais mais elevados, diretamente aos níveis de potencial econômico das pessoas.

Certamente não é possível inverter a pirâmide, que existe até mesmo nas nações mais desenvolvidas, mas diminuir as diferenças, aumentar o equilíbrio e promover igualdade proporcional de oportunidades, é sim um dever de quem pensa a educação de uma nação.

Educação não pode ser vista como uma política de governo, mas uma iniciativa de estado, imune aos interesses políticos transitórios e solidificada como construtora de conhecimento e não de mentalidades condicionadas ideologicamente.

Proporcionar maior acesso aos menos favorecidos, com políticas inclusivas que partam desde a base da educação, sem esquecer o programa de merecimento, abrindo portas para que todos tenham, no mínimo, a oportunidade de conquistar um espaço, é uma responsabilidade premente da autoridade educadora.

A universidade e o ensino superior são a ponta de todo este reflexo institucional e, quando a faculdade está ao alcance de uma maioria mais abastada, em detrimento da maior camada da população, que não consegue sequer concluir as etapas fundamentais de ensino, algo está profundamente errado no tecido social inteiro e não apenas nos aspectos de educação.

As responsabilidades técnicas das universidades:

Ensinar a aprender

Talvez a maior de todas as responsabilidades de uma instituição de nível superior, seja o investimento em pesquisa, um dos elementos do tripé da educação.

A pesquisa costuma ser muito mais incentivada na universidade pública, enquanto as instituições privadas privilegiam o mercado.

O resultado é que instituições privadas conseguem formar profissionais mais competitivos, enquanto as universidades públicas constroem o conhecimento novo.

O maior desafio é diminuir a diferença entre os níveis de ensino praticados nas universidades públicas e privadas.

Buscar uma sintonia curricular maior e mais evidente, fortalecendo os laços de conhecimento e proporcionando o desenvolvimento social em plenitude.

A evolução dos programas pedagógicos das faculdades:

Programas pedagógicos libertadores

Faculdade é um espaço de desenvolvimento de conhecimento e ampliação do espectro de compartilhamento da sabedoria.

Sabedoria é o conjunto de todas as inteligências, processando os conhecimentos e dando a eles uma forma de utilização prática, para que sejam verdadeiramente úteis.

Os programas pedagógicos das universidades precisam estar sempre em constante evolução, pois o conhecimento sofre uma mutação constante e novas ideias viram processos do dia para a noite e é preciso manter este fluxo ativo, eficiente e prático.

Um sistema pedagógico de uma faculdade deve privilegiar além do conhecimento, mas dar ênfase para a “máquina de aprender” das pessoas.

Trabalhar para que os mecanismos do aprendizado gerem potencial de elaboração mais articulada do saber e, através desta complexidade, abrir portas para novas visões sobre uma mesma realidade, o que efetivamente possui o poder da transformação.

Simplesmente ministrar matérias engessadas minimiza o potencial da faculdade e padroniza, por baixo, o nível dos profissionais que se formam ali.

Por isto a pesquisa é relevante em todas as esferas, a extensão universitária e a metodologia de ensino, tudo isto compondo o tripé que leva à manifestação plena do conhecimento, que é o que se espera de uma sociedade evoluída.

A responsabilidade de uma faculdade vai muito além de distribuir conhecimento:

Apoiar o desenvolvimento social

Faculdade constrói o conhecimento e não apenas capta o que já está solto no ar.

Stephen Hawking, depois de desenvolver seu teorema sobre a singularidade gravitacional no âmbito da relatividade geral, foi perguntado sobre seus métodos e, num determinado momento, de forma simplória, um repórter de uma revista especializada questionou o porquê, de nenhum outro cientista e matemático ter chegado àquelas conclusões antes dele, já que pareciam tão óbvias naquela esfera de conhecimento.

Hawking foi mais simplório ainda em sua resposta: “Eu tive que inventar um pedaço novo de matemática para poder compreender esta teoria. Esta nova matemática não estava disponível, até então, para nenhum outro antes de mim.”

Obviamente este é um exemplo claro de renovação, criação, construção de um novo conhecimento a partir do que já existia, mas que até então, era só um caminho para uma nova perspectiva, que a genialidade de Hawking permitiu captar.

É, portanto, uma obrigação do campo universitário, proporcionar caminhos para que este tipo de conhecimento se desenvolva e que fronteiras não sejam impostas por mecanismos didáticos engessados.

O maior desafio da faculdade moderna é a sua própria evolução:

A constante evolução do conhecimento

Faculdade é uma constante superação de limites e assim deve ser.

Os processos comparativos entre os alunos, as avaliações, os conceitos técnicos, tudo deve estar em constante avaliação e evolução.

Talvez a maior de todas as responsabilidades sociais de uma faculdade seja a de superar seus próprios limites, instigando as novas descobertas, experimentações, tentativas e erro, e isto só se consegue através de uma robusta política de pesquisas e desenvolvimento.

No universo acadêmico, produzir valor é produzir conhecimento.

Só tem valor, numa faculdade, aquilo que incorpora, gera ou desenvolve conhecimento, em todas as esferas.

Conhecimento é um patrimônio social, que pertence a todos.

Quando um texto de Vitor Hugo, um poema de Mário Quintana ou uma teoria de Einstein ganha o mundo, ela não apenas ganha o mundo como um conhecimento ou experiência absoluta, estas criações devem ser vistas e utilizadas como ferramentas de construção de novos conhecimentos, novos avanços, uma evolução do raciocínio e da própria lógica humana.

É claro que a faculdade, uma instituição de ensino superior possui responsabilidades relativas à sua importância dentro de uma comunidade, mas além de seus muros, salas, laboratórios e bibliotecas, o conceito de uma instituição que promova a inclusão social, que mantenha o foco voltado para a pesquisa e que compreenda que o conhecimento é apenas uma ferramenta para a construção de mais conhecimento, é a verdadeira identidade de uma faculdade moderna.